sábado, 24 de julho de 2010

TUDO SOBRE ABACATE

UMA ARMA CONTRA O COLESTEROL, PRESSÃO ALTA E MUITOS OUTROS PROBLEMAS


Fruto do abacateiro (em latim: Persea gratissima, que significa “originário da Pérsia que concede muitas graças”, ou Laurus persea, isto é,” louro da Pérsia”), árvore da família das Lauráceas, a mesma do louro, da canela-da-china e de muitas espécies que não produzem frutos comestíveis, mas fornecem madeiras de boa qualidade. Pode chegar a 12 metros de altura. Ao contrário do nome científico, o abacateiro é nativo da América Central e não da Pérsia, atual Irã, no Oriente Médio. Muitos autores dizem que foi introduzido no Brasil em 1809, mas o historiador brasileiro Luís da Camara Cascudo explica que há registros de exploradores terem visto abacateiros e saboreado seus frutos na Amazônia em 1787.
A vaga semelhança com a pêra (fruto da pereira, da família das Rosáceas, a mesma das roseiras) levou o sueco Karl von Lineu, que criou a nomenclatura vegetal, a chamá-la de Persea americana, querendo dizer “pêra da América”. Esse nome científico foi depois substituído pelos atuais. Já a palavra “abacate” em português deriva da palavra asteca ahuacatl, que quer dizer “testículo”, em alusão à forma do fruto e aos hormônios sexuais naturais contidos no fruto e principalmente na semente.
São medicinais o fruto e seu caroço, as folhas, as cascas, os galhos lenhosos e os botões florais. O fruto é energético e equilibra o metabolismo, regulando os índices de colesterol e glicose. “O abacate substitui com vantagem a carne, pois suas gorduras fornecem energia limpa, com menos resíduos”, costumava dizer em suas aulas de Fitoterapia o falecido professor Sylvio Panizza (1930-2005), do Departamento de Botânica da Universidade de São Paulo, uma das maiores autoridades brasileiras sobre plantas medicinais. Seu trabalho foi continuado por seu filho, Sylvio Tinoco Panizza, infelizmente também já falecido.
O alto teor alcalino do fruto rebate a azia e má-digestão decorrentes de gastrite. E o tanino também evita a prisão de ventre. É ainda um excelente cosmético, para tratar a pele, as unhas e os cabelos. O caroço, as folhas e os brotos combatem reumatismo, gota, pressão alta e problemas digestivos, além de prevenir câncer de próstata e atuar como repositores hormonais e estimulante sexual para homens e mulheres.
Os efeitos benéficos das gorduras do abacate se devem principalmente a uma substância chamada b-sitosterol, que funciona como hormônio natural. Já o efeito diurético do caroço e das folhas é devido a uma substância chamada d-perseitol, que também tem ação antibiótica.
Numa aula proferida em 1990, Sylvio Panizza abordou um tema que ainda é atual: o poder dos antibióticos versus o poder das bactérias: “Os antibióticos sintéticos vendidos nas farmácias são muito eficazes e potentes, mas para certos casos, como infecções urinárias simples, o uso contínuo de chá de folhas de abacate é mais eficiente, porque ele tem ação específica”. E o professor perguntava: “Por que matar toda a flora intestinal para combater uma simples infecção urinária que voltará a se repetir, pois vivemos cercados de bactérias?”
O professor sempre se preocupava em ressalvar que a consulta a um médico é fundamental em todos os casos de infecção e que em infecções mais sérias os antibióticos de farmácia são a primeira opção, por serem rápidos, potentes e eficientes. “Com o nível de resistência a que chegaram as bactérias por causa do uso indiscriminado de antibióticos sintéticos até em sabonetes e pastas de dentes, hoje não se cura uma gonorréia com chá de folha de abacate, por exemplo. Mas ainda nesses casos o chá pode ser usado como coadjuvante do tratamento, sendo capaz de potencializar o efeito dos antibióticos sintéticos.”
A ação do abacate sobre a artrose, segundo Panizza, estava sendo pesquisada pela Universidade de São Paulo e um dos princípios ativos responsáveis por essa propriedade seriam os polifenóis do abacate. Um estudo feito durante 2 meses pela Universidade Estadual de Campinas com policiais militares de 25 a 40 anos mostrou que a ingestão de um abacate por dia melhorou os índices de colesterol em 99% dos casos. O efeito foi atribuído às boas gorduras do abacate e aos polifenóis.

Mais energia e proteínas

O abacate é uma das frutas mais energéticas, pois possui quase 20% de gordura. Além dessa gordura, que é de boa qualidade (energética e rica em ácido oléico, que dilui o mau colesterol, diminuindo seus índices), a polpa tem vitaminas e sais minerais (que melhoram a disposição). Regue com sumo de limão logo depois de abrir o fruto para não escurecer. E sirva imediatamente, pois, apesar de o limão diminuir sua oxidação, a polpa reage com as moléculas de oxigênio do ar, o que a faz ficar acinzentada em pouco tempo – mais um índice da ação antioxidante desse fruto, que estimula o fígado a queimar colesterol (veja boxe) e produzir bílis, melhorando a digestão. O abacate tem mais proteínas que qualquer outra fruta (2,5 g a cada 100 g de polpa), sendo por isso recomendado nas dietas de restrição de carne.



Óleo medicinal

O óleo de abacate se parece com o azeite de oliva por causa da cor esverdeada, mas tem aroma e sabor diferentes, com muito pouca acidez (menos de 1%). Por causa da grande quantidade de vitamina E (o dobro do óleo de semente de uva, por exemplo), vitamina A e fitoesteróis (beta-sitosterol principalmente) e outros aminoácidos, como glutamina, ele tem ação antioxidante, inibindo a formação de radicais livres, que desorganizam o núcleo das células. Além disso, estimula o metabolismo do colágeno, aumentando a quantidade dessa gordura em nossa pele, o que reduz os sinais de envelhecimento e fortifica a raiz dos cabelos. Por ter ação muito intensa, deve ser consumido puro na quantidade máxima de 1 colher (sopa) distribuída ao longo do dia. Quantidades maiores podem provocar irritação gástrica.

Previne câncer de próstata e de seio

Tanto no homem como na mulher, o beta-sitosterol presente no óleo do abacate bloqueia a ação de uma enzima cuja produção pelo fígado aumenta com a idade, a 5-alpha-reductase. Ela é responsável pela transformação da testosterona produzida pelas glândulas endócrinas do homem e da mulher em dihidrotestosterona (DHT), uma substância nociva, que nos homens dilata a próstata e diminui a circulação periférica, causando queda de cabelos e podendo estar relacionado com casos de impotência. Nas mulheres o óleo de abacate bloqueia a ligação do DHT a receptores de estrógenos, prevenindo os efeitos negativos dos altos índices desses hormônios, como tumores no seio, retenção de líquidos e aumento de peso.
Outro componente da polpa e do óleo do abacate é um carotenóide chamado luteína, parente químico da vitamina A (que ocorre em grande quantidade na polpa). A luteína também equilibra os hormônios em homens e mulheres. Além de prevenir contra câncer de seio e próstata, ela age contra doenças oculares, como catarata e degeneração da mácula.
Os componentes do óleo de abacate também aumentam a imunidade, o que auxilia no tratamento de doenças como infecções, câncer e HIV. Esse óleo aumenta a quantidade de linfócitos (um tipo de célula de defesa) no sangue.
A polpa e o óleo também são ricos em sais minerais, como cálcio e potássio, constituintes das células, e oligoelementos, como cobre e magnésio, que agem em pequenas quantidades e facilitam as reações químicas do organismo.

Fruta no Brasil, legume no exterior
No Brasil, o abacate é considerado fruta e consumido geralmente com açúcar. Por isso se dá preferência às variedades maiores e de menos gordura. No exterior, entretanto, ele é considerado legume, sendo comum seu uso em pratos salgados, como saladas, o que explica a preferência por variedades de frutos menores e maior índice de gordura, como o pequeno de casca rugosa (“avocato”, que tem 10% menos gordura que o abacate comum).

Existem mais de 500 variedades de abacate, de três origens diferentes: Guatemala, Antilhas e México. Todas essas variedades se dividem em dois grupos, chamados A e B. Quem quiser plantar essa árvore tem de ter os dois tipos, pois as flores do tipo A só têm a parte feminina amadurecida e receptiva quando abrem pela manhã, enquanto as do tipo B já abrem com a parte masculina amadurecida. Exemplos de variedades do tipo A: fortuna, wagner, rincón, simmonds etc. Variedades tipo B: pollock ou fuchs, quintal, vitória, imperador, ouro verde etc.
boxe
Indicações: ácido úrico, urina presa, pedras nos rins, pressão alta, afrodisíaco (tônico sexual), desequilíbrio hormonal (reposição), queda de cabelos, caspa, envelhecimento ou ressecamento da pele, diarréia, problemas digestivos, eczema, gases intestinais, artritismo, gota, reumatismo, vermes intestinais, tosse, rouquidão, ulceras do aparelho digestivo, fígado e vesícula biliar.



Óleo caseiro: faça você mesmo

Bata 1 xícara (chá) de polpa picada com 1 xícara (chá) de qualquer óleo vegetal no liquidificador. Coloque num recipiente de ágata e ferva em banho-maria (até 60º C) durante 8 minutos. O óleo vegetal vai diluir o óleo do abacate. Tire do recipiente com água e deixe esfriar em local ventilado sem tampar para evaporar a água. Passe em coador de café para obter o óleo, que deve ser usado no mesmo dia. Ao fazer o banho-maria não se esqueça de colocar um pano no fundo do recipiente da água fervente para que a vasilha que contém a polpa não toque no fundo, ultrapassando a temperatura de extração. Pode ser usado na culinária e na cosmética.


FICHA TÉCNICA DO ABACATE


100 gramas de polpa contêm:
Calorias 180
Carboidratos 5,6 g
Proteínas 2,5 g
Gorduras 19,30 g
Fósforo 46 mg
Ferro 0,8 mg
Zinco 0,9 mg
Cobre 0,2 mg
Sódio 7 mg
Potássio 485 mg
Magnésio 29 mg
Cálcio 30 mg
Vitamina A 300 U.I.
Vitamina B1 (tiamina) 70 mcg
Vitamina B2 (riboflavina) 100 mcg
Vitamina B5 (niacina) 0,80 mg
Vitamina C (ácido ascórbico) 10,20 mg
Água 71,70 g




Tabela de colesterol
(mg em cada 100 g)

Banha de porco 243
Caldo de carne concentrado 24.000
Camarão fresco 124
Carne de boi magra 123
Carne de boi com gordura 289
Carne de frango (peito) 109
Carne de porco e alcatra 368
Fígado de boi 320
Manteiga com sal 262
Miolo de boi 2.360
Ovo de galinha (gema) 1.500
Ovo de pata (gema) 2.647
Toucinho 103

Fonte: dr. Flávio Rotman


Beta-sitosterol, o herói

Presente no óleo de caroço de abacate, o beta-sitosterol é um parente químico do álcool que não tem seus efeitos secantes porque não evapora rapidamente. Uma das principais propriedades do beta-sitosterol é conferir ao óleo de abacate propriedades antivirais, fungicidas, anti-inflamatórias e reguladoras hormonal (o que explica sua ação contra caspa, cravos e espinhas). Além disso, aplicado sobre a pele, esse óleo serve de filtro contra os raios ultra-violeta (tem mais efeito que o azeite de oliva e os óleos de jojoba e amêndoas). Com estrutura química similar à do colesterol, o b-sitosterol também está presente no arroz, na soja, no germe de trigo e no milho.
O b-sitosterol também diminui os índices de glicose no sangue ao inibir a ação da glucose-6-phosphatase, uma enzima que aumenta esses índices.


Princípios ativos
Óleos essenciais; óleo fixo; perseitol (que se desdobra em álcool septâmico); proteínas; mucilagens; taninos; vitaminas; sais minerais; pigmentos amarelos (carotenóides); pigmentos verdes (clorofila); sacarina gordurosa cerácea, resina cristalizada; princípio amargo abacatina, metileugenol

RECEITAS DA MEDICINA POPULAR

Baixe a pressão
Esquente 1 xícara (chá) de água e, quando levantar fervura, acrescente 6 folhas frescas picadas ou 8 folhas secas trituradas (1 colher de sopa). Deixe ferver 5 minutos, apague o fogo e deixe amornar tampado. Coe e tome 2 xícaras por dia, de manhã e à tarde, antes das refeições.
Use em crises de hipertensão. Se seu caso for crônico, use esse chá 2 semanas intercaladas por mês. A hipertensão é um problema grave e deve sempre ser tratada por médico. A planta medicinal não substitui o remédio prescrito por ele, mas pode permitir a redução das doses ao longo do tratamento.

Combata dor de garganta e inflamações na boca
Mastigue folhas frescas bem lavadas ao longo do dia. No máximo cinco folhas por dia.

Corte a diarréia (com folhas e brotos)
Ferva por 5 minutos 10 folhas frescas ou 15 folhas secas e 10 brotos de 2 cm em 1/2 litro de água. Apague o fogo e deixe amornar tampado. Coe e tome 2 ou 3 litros ao longo do dia.

Corte a diarréia (com o caroço)
Rale 1 caroço e leve ao forno superbrando para tostar. Dissolva 2 colheres (sopa) do ingrediente tostado em 1 xícara (chá) de água morna e deixe esfriar. Tome frio, mexendo para misturar o pó na água, até 3 xícaras (chá) ao dia. Outra forma de ingerir o abacate tostado e bem pulverizado é comê-lo misturado com arroz ¬- 1 colher (sopa rasa) de pó para cada colher (sopa cheia) de arroz cozido sem sal. Não ultrapassar as doses.

Chá das três ervas (corta-diarréia)
Ferva 2 copos americanos de água com 3 folhas de goiabeira, 3 de abacateiro e 3 de pitangueira durante 10 minutos. Coe e tome meio copo após cada evacuação. Na hora de tomar, misture com o suco de meio limão recém-espremido.

Combata os gases
Ferva, durante 5 minutos, 1 colher (sopa) rasa de sementes de erva-doce com 8 folhas secas de abacate. Apague o fogo e deixe amornar tampado. Tome 1 xícara depois das refeições.

Acabe com as pedras dos rins
Ferva, durante 5 minutos, 1 colher (sopa) de caroço de abacate ralado. Apague o fogo e acrescente 1 colher (sopa) de galhos de quebra-pedra (Philantus niruri), deixando amornar tampado. Tome 2 xícaras (chá) ao dia até diminuírem os incômodos. Se os sintomas persistirem depois de três semanas de tratamento, um médico deve ser consultado.

Estimule o fígado
Ferva, durante 5 minutos, 1 colher (sopa) de folhas novas picadas em 1 xícara (chá) de água. Deixe amornar tampado e coe. Tome 1 xícara (chá) antes do café da manhã e outra à tarde, meia hora depois do almoço.

Previna o câncer de próstata e de seio
Coma ½ abacate por dia durante uma semana por mês na época em que o fruto está disponível (seis meses por ano) e tome 1 colher (sopa) por dia de óleo de abacate misturado nos alimentos durante duas semanas por mês.

Regule a menstruação
Ferva, durante 5 minutos, 1 colher (sopa) de flores em 1 xícara (chá) de água em fogo brando e deixe amornar com a panela destampada. Tome 1 xícara (chá) de tarde e outra na hora de dormir durante uma semana por mês.

Contra infecções urinárias
Ferva por 5 minutos 5 folhas de abacate em 2 xícaras (chá) de água. Apague o fogo e deixe amornar tampado. Coe e tome 2 xícaras (chá) ao dia, pela manhã e à tarde. Paralelamente faça lavagens locais com um chá feito de folhas de abacate (30 folhas para cada litro de água). Ferva por 5 minutos, acrescente 2 xícaras (café) de flores de balsamina branca frescas e apague o fogo. Deixe amornar tampado e faça lavagens vaginais.

Melhore o desempenho sexual
(para homens e mulheres)
Macere 4 colheres (sopa) de caroço de abacate ralado em ½ litro de vinho branco seco durante 1 semana. Coe. Tome 2 cálices ao dia, à tarde e à noite. Não exceda as doses, pois pode provocar irritação gástrica. Paralelamente, tome 1 colher (sopa) de óleo de abacate misturado com a comida ao longo do dia. Faça esse tratamento três dias por semana.

Trate artrite e reumatismo
Aqueça levemente com uma chama 1 colher (sopa) de óleo de abacate e passe no local dolorido.
Contra dores reumáticas
Deixe macerar 1 colher (sopa) de folhas de abacateiro secas picadas e 1 colher (sopa) de caroço de abacate recém-ralado em 1 xícara (chá) de álcool de cereais a 60º por uma semana. Coe, acrescente 1 pedra de cânfora e aplique com gaze ou algodão sobre as partes doloridas. Depois, massageie com uma leve camada de óleo de amêndoas para não ressecar a pele.

Acabe com os vermes
Ferva 2 colheres (sopa) de casca (veja boxe) ou galhos lenhosos finos picados em 1 xícara (chá) de água por 5 minutos. Apague o fogo e amorne tampado. Tome 1 xícara meia hora antes do café da manhã durante seis dias. No sétimo, tome 1 colher (sopa) de óleo de rícino meia hora depois do chá, para forçar evacuação e limpar o intestino.



Use a casca. Mas não abuse da árvore

Cuidado ao extrair as cascas desta e de qualquer outra árvore, pois, grudada logo abaixo da casca, fica a delicada rede vascular que traz para a raiz os alimentos sintetizados pelas folhas a partir da exposição à luz solar.
O outro sistema vascular, que leva água, gases e substâncias químicas extraídas do solo pela raiz até as folhas, fica dentro do tronco das árvores. Para extrair cascas sem prejudicar a árvore, faça tiras verticais estreitas (1/10 do diâmetro da casca) e curtas (10 cm a 20 cm de altura). Nunca corte círculos de casca à volta do tronco todo, pois isso pode interromper a descida de seiva para a raiz, matando a planta.

Cicatrizante
Limpe o local ferido ou arranhado com uma gaze embebida em água oxigenada. Aplique fatias de polpa de abacate meio verde nesses locais, deixando agir por alguns minutos.


COSMÉTICA
Cabelos caindo? Abacate neles!
Friccione o couro cabeludo durante 5 minutos depois do banho com óleo de abacate levemente aquecido em banho-maria (a temperatura não deve passar de 40 graus). Paralelamente, ingira 1 colher (sopa) de óleo de abacate nas refeições, usando-o para temperar saladas ou pratos quentes.
Acabe com a caspa
Ferva 1 caroço fresco picado em 2 xícaras (chá) de água por cinco minutos, deixe amornar tampado e esfregue no couro cabeludo depois do banho matinal e antes de dormir.

Creme contra estrias
Amasse 1 colher (sopa) de polpa de abacate picada com 1 colher (sopa) de polpa branca da babosa picada (extraída do interior da folha) com 1 colher (café) de óleo de amêndoas e massageie a barriga, as coxas e as nádegas para fortalecer o colágeno.

Creme contra pele ressecada
Bata no liquidificador 1 xícara (chá) de polpa de abacate maduro com 6 colheres (sopa) de mel. Aplique no rosto, pescoço e dorso das mãos, lavando depois de meia hora com água fria ou ligeiramente morna.

Sabonete glicerinado de abacate

Derreta em banho-maria 1 barra de sabonete de glicerina de 1 kg e misture 2 colheres (sopa) de óleo caseiro de abacate, 1 colher (sopa) de lauril, 1 colher (sopa) de essência de pêra, 1 colher (chá) de essência de melão e 1 colher (sopa) de fixador. Pingue 3 ou 4 gotas de tintura verde-abacate para alimentos. Coloque em formas de plástico ou silicone e desenforme depois de frio, envolvendo em filme plástico para impedir o contato com o ar. Ótimo para pele e cabelos. Os ingredientes encontram-se à venda em lojas de produtos cosméticos artesanais.

Sabonete de abacate a quente
(receita de João Durval Leonel)
Num latão de 20 litros, misture 5 kg de polpa madura picada sem casca e sem sementes com ½ litro de azeite de oliva e150 g de breu picado e 300 g de soda cáustica de boa qualidade (use máscara e luvas para manusear a soda protegendo as mãos, olhos e nariz). Mexa bem e leve ao fogo por 30 minutos. No final do cozimento, rasgue 10 envelopinhos de chá de camomila ou erva doce e acrescente na mistura. Deixe amornar e despeje em fôrmas (podem ser de papelão forrado com plástico). Deixe secar por cerca de 30 horas, corte no formato desejado e guarde envolto em plástico-filme. (Veja outras receitas em UTILIDADES DOMÉSTICAS.)


Creme hidratante profissional
Misture 1 xícara (café) de base para creme hidratante em 3 xícaras (café) de água destilada ou deionizada, ½ xícara (café) de óleo de abacate, 1 colher (café) de essência de pêra, 1 colher (café) de essência de melão e ½ colher (café) de fixador. Tinja com 1 gota de tintura alimentar verde-abacate. Os ingredientes podem ser encontrados em lojas de produtos cosméticos artesanais.

Unhas fracas? Óleo nelas!
Aqueça moderadamente 1 colher (sopa) de óleo de abacate e, com chumaço de algodão ou cotonete, aplique nas unhas sem esmalte à noite, antes de dormir.

CULINÁRIA

Molho para salada
Bata no liquidificador ½ abacate de casca lisa ou 2 de casca rugosa (que são pequenos) em 1 xícara (chá) de soro de leite, 2 colheres (sopa) de suco de limão, a casca ralada de 1 limão, ½ cebola ralada, 1 colher (sopa) de salsa picada e 1 colher (sopa) de cebolinha picada (pode-se também usar orégano, sálvia ou manjericão no lugar da salsa e da cebolinha).

Salada energética
Corte ao meio 1 abacate de casca lisa ou 2 pequenos no sentido do comprimento, tire os caroços, corte cada abacate em 4 e retire a casca, puxando com os dedos e com uma faca.Corte em pedaços pequenos e reserve . Pique ½ xícara (chá) de manjericão, ½ xícara (chá) de salsa e 1 cebola pequena e misture numa vasilha para salada. Acrescente 40 g de avelãs picadas, 50 g de nozes picadas, 350 g de ricota, ½ colher (sopa) de orégano, sal, pimenta-do-reino, páprica, azeitonas verdes recheadas ou sem caroço. Misture tudo e acrescente os cubinhos de abacate, levemente para não desmanchar. Sirva em seguida.

Salada com tomate e pepino
Misture 2 xícaras (chá) de pepinos picados em pedaços médios, 10 azeitonas verdes sem caroço, 1 pimentão vermelho picado em pedacinhos, 1 cebolinha branca picadinha, 2 abacates pequenos (ou 1 grande) maduros e firmes fatiados sem pele e sem semente, 2 colheres (sopa) de salsinha picada, 3 tomates picados, suco de ½ limão e sal a gosto. Sirva acompanhando as refeições principais.

Sopa anti-radicais livres
Refogue 1 colher (chá) de alho esmagado em 4 colheres (sopa) de manteiga ou azeite de oliva, acrescente 1 xícara (chá) de cebola picada e continue refogando até a cebola murchar. Acrescente 1/4 de xícara (chá) de farinha de trigo, mexendo para não encaroçar. A seguir, despeje 4 xícaras (chá) de caldo grosso de galinha, mexendo sempre, e cozinhe por 15 minutos. Deixe amornar e bata no liquidificador até ficar uma massa, que vai de volta para a panela. Agora corte 2 abacates médios ao meio e retire a polpa, cortando-a em cubos e regando com suco de limão. Bata no liquidificador e misture na sopa, aquecendo novamente em fogo baixo sem deixar ferver, pois o abacate fica amargo quando cozido. Sirva imediatamente.

Pudim salgado
Dissolva 1 colher e ½ (sopa) de gelatina em pó sem sabor em ½ xícara (chá) de água e leve ao fogo, mexendo bem até dissolver. Junte mais 1 xícara (chá) de água e leve à geladeira por cerca de meia hora, até adquirir consistência mais viscosa, mas não ficar dura. Numa tigela, misture o 2 abacates pequenos recém-amassados com 2 xícaras (café) de suco de limão. Acrescente a gelatina, 1 talo de salsão médio picado, 2 tomates pequenos sem pele e picados, 2 cebolinhas verdes picadas, sal e molho de pimenta a gosto. Despeje numa fôrma para pudim e deixe na geladeira por 3 horas, até adquirir consistência firme. Forre uma travessa com folhas de alface e desenforme nela. Guarneça com azeitonas e tomates pequenos.

Guacamole
Pique a polpa de 2 abacates médios de casca lisa (ou 4 pequenos de casca rugosa) ligeiramente maduros e 2 tomates descascados. Junte com 1 dente de alho esmagado, 1 cebola média, pimenta (malagueta ou dedo-de-moça) a gosto, mas sempre retirando as sementes, suco de 2 limões, 1 colher (sopa) de salsinha (ou coentro), sal a gosto. Bata todos os ingredientes no liquidificador acrescentando 1 pote de requeijão para a massa ficar mais cremosa. . Na receita original, o guacamole é servido em bolachas de milho chamadas tacos, parecidos com os nossos doritos industriais, mas mais nutritivos.
A receita original do guacamole é a seguinte: corte a polpa do abacate em pedaços e ponha num recipiente para amassar com um pilão. Pique muito fininho os tomates, sem pele e sem sementes, a cebola, o dente de alho e a pimenta. Junte ao abacate e forme uma pasta uniforme. A seguir acrescente o limão, o sal e a salsinha picada fininho.
Sirva com tacos (um tipo de tortilha originalmente de milho, mas depois adaptada para a farinha de trigo – veja receita no boxe)



Taco: a cara metade

O taco é uma tortilha de farinha típica da cozinha mexicana, que é recheada com guacamole e dobrada, fazendo um sanduíche. Numa tigela grande, misture 2 xícaras (chá) de farinha de trigo, 1 xícara e ½ (chá) de água morna e sal a gosto. Mexa com as mãos até ficar firme. Molde na forma de uma bola e deixe repousar por 20 minutos. Em seguida, com as mãos untadas com farinha, divida a massa em bolinhas do tamanho de nozes. Prense-as em forma de tortilha cobertas com plástico dos dois lados. Retire o plástico para soltar as tortilhas e asse-as em frigideira de ferro (meio minuto cada lado).


Chilli, o acompanhamento dos carnívoros

Como segunda alternativa, você poderá servir o tradicional chilli com os tacos. Eis a receita: desfie 600 g de carne de porco cozida, 250 g de coxão mole ou alcatra cozidos com auxílio de dois garfos e reserve. Refogue 2 cebolas médias fatiadas em 2 fatias de bacon cortado em pedaços pequenos. Junte as carnes, 2 tomates médios descascados e picados, 1 colher (sopa) de chilli em pó e cozinhe em fogo baixo com 4 colheres (sopa) de água, mexendo de vez em quando para as carnes dourarem e o líquido evaporar. Reserve. Coloque 1 xícara (chá) de feijão cozido em outra panela e aqueça até ferver, mexendo vigorosamente para obter uma pasta. Misture todos os ingredientes, acrescente o suco de 1 limão e, por último, 6 folhas de alface picadinhas e 4 colheres (sopa) de creme de leite. Sirva quente. Há quem goste de misturar chilli com guacamole no seu taco.

Como fazer a pimenta
Para obter o chilli em pó asse em forno superbrando 10 pimentas dedo-de-moça abertas por cerca de cinco a dez minutos. Não deixe queimar, apenas secar. Retire os cabos e as sementes e use um pilãozinho para obter o pó. Outra receita alternativa de chilli: misture 1 colher (sopa) de páprica picante, 2 colheres (sopa) de páprica doce, 1 colher (chá) de cominho seco picado e 1 colher (chá) de orégano. Misture bem.


Enroladinhos de presunto
Separe 12 fatias de presunto, 2 abacates maduros e 1 limão. Lave os abacates, tire as polpas e corte-as em 12 pedaços, regando com suco de limão. Enrole cada pedaço numa fatia de presunto e coloque numa travessa enfeitada com folhas de alface. É um ótimo aperitivo para almoços e jantares.

Abacates recheados
Separe 2 abacates maduros e 1 limão para base do prato. Para o recheio, aqueça 2 colheres (sopa) de azeite com 1 colher (sopa) de suco de limão, sal, pimenta, 1 colher (sopa) de mostarda, misturando bem. Junte 1 dente de alho triturado e 1 cebola picada. Reserve, enquanto em outra panela sem óleo você assa ligeiramente 300 g de carne moída, mexendo com colher de pau. Quando a carne estiver assada, despeje o molho sobre a ela e mexa até o líquido evaporar. Na hora de servir, corte os abacates ao meio, tire as sementes e esprema limão sobre a polpa para não escurecer. Recheie com o molho de carne, servindo sobre folhas de alface e decorando com rodelas de tomate.

Sopa de abacate à Rio Preto (SP)
Corte 1 abacate maduro e sem casca e sem caroço ao meio no sentido do comprimento. Corte uma das metades em fatias finas, no sentido da largura. Amasse a outra metade, passe por peneira fina e coloque num prato fundo. Respingue o suco de ½ limão pequeno. Junte ½ copo de iogurte natural, 1 xícara (café) de vinho branco e 1 xícara (chá) de caldo de galinha e misture bem, aquecendo sem ferver. Em outro recipiente, bata 1 xícara (chá) de creme de leite e junte à sopa, misturando levemente. Tempere com sal, pimenta e molho inglês a gosto e enfeite com as fatias da outra metade do abacate. Pode também ser servida gelada.

Abacate à Caxias do Sul (RS)
Bata a polpa de 1 abacate médio no liquidificador com 1 colher (chá) de casca ralada de limão médio e seu suco. Acrescente 2 xícaras (chá) de caldo de galinha e 1 pote pequeno de iogurte natural (200 g) e continue batendo até ficar cremoso. Tempere com sal e pimenta e leve à geladeira por pelo menos 1 hora antes de servir, salpicado de cebolinha picada (2 colheres de sopa).

Manteiga de abacate
Misture bem 3 colheres (sopa) de leite em pó, 1 colher (café) de azeite de oliva extravirgem e uma pitada de sal com a polpa de 1 abacate pequeno ou de ½ abacate médio. Sirva a seguir com pão no café da manhã. Não pode ser conservado, pois escurece. (Receita de João Durval Leonel)

Sorvete delicioso da vovó
Misture numa batedeira 6 xícaras (chá) de polpa de abacate picada com 3 xícaras (chá) de açúcar, 1 limão, 1 lata ou pacote de leite condensado, 1 lata ou pacote de creme de leite. Disponha em fôrmas e ponha no freezer. Depois de cerca de meia hora, retire e bata no liquidificador para ficar cremoso. Recoloque nas fôrmas e leve de volta ao freezer até congelar. (Receita de João Durval Leonel)


Vitamina
Corte 1 abacate grande de casca lisa ao meio, tire o caroço, retire a polpa e esmague com um garfo. Acrescente 1 copo (americano) de leite, 4 colheres (sopa) de açúcar ou 6 colheres (sopa) de mel e bata no liquidificador. Sirva a seguir. Pessoas com diabete ou que fazem regime de emagrecimento podem substituir o açúcar ou o mel por adoçante. Essa é a versão de mingau de abacate mais consumida no Brasil.
No México e em outros países vizinhos, a receita muda um pouco. Veja a receita mexicana: corte 1 abacate, tire a semente e retire a polpa com uma colher. Esmague com o sumo de 2 limões e acrescente açúcar, mel ou adoçante. Sirva a seguir. (Receita de Brígida Vanzo)

Musse
Tire a polpa de 4 abacates médios e leve ao liquidificador com 1 xícara (chá) de açúcar, 4 colheres (sopa) de creme de leite e 1 colher (café) de essência de baunilha até formar um creme homogêneo. Despeje numa tigela, acrescente 1 xícara (café) de Curaçao e misture bem. Bata na batedeira ½ litro de creme de leite até adquirir consistência pastosa fina (ponto de chantilly). Bata 4 claras em neve até ficarem durinhas. Adicione o creme de leite ao creme de abacate e depois misture as claras em neve, com cuidado. Coloque numa forma canelada molhada e deixe no congelador por três horas. Para servir, mergulhe a fôrma em água fervente, enxugue-a e levante sobre uma travessa.


UTILIDADES DOMÉSTICAS

Sabão de abacate a frio
Pode ser usado na pia, no tanque e na limpeza em geral. Não agride a pele. Num latão de 20 litros, misture 2 e ½ quilos de polpa bem amassada de abacate maduro sem casca nem semente com 250 g de sebo ou banha derretidos, 75 g de breu e 3 colheres (sopa) cheias de farinha de milho ou cinzas. Acrescente 200 g de soda cáustica e misture bem. Cuidado com a soda cáustica: para fazer esta receita, use luvas e máscara para proteger a pele, os olhos e o nariz dos vapores. Mexa por uma hora com um bastão de madeira. A seguir despeje em fôrmas (você pode usar caixas de papelão forradas com plástico) e deixe secar por 24 horas, pelo menos. Corte em barras ou pedaços menores.

Sabão de abacate
(maior quantidade)
Passe na maquina de moer carne 10 kg de polpa de abacate para formar uma pasta homogênea. Num latão grande, misture bem com 1 kg de sebo ou banha derretidos e 1 kg de soda cáustica, mexendo por cerca de 40 minutos, até ficar com consistência firme. Despeje em fôrmas e deixe secar por 24 horas, pelo menos. Corte em pedaços.


Colesterol, herói ou vilão?
O colesterol é uma “gordura” presente nas carnes, nos camarões e na gema do ovo, isto é em produtos de origem animal, que é absolutamente indispensável para o nosso organismo. Cerca de 70% do colesterol que nosso organismo usa é produzido por nosso próprio corpo; os outros 30% vêm da alimentação.
Sem o colesterol, as membranas celulares ficariam “esburacadas”, o organismo não conseguiria sintetizar vitamina D, essencial para os ossos, a pessoa não produziria hormônios sexuais, perderia o desejo sexual e sua pele secaria. Além disso, sem colesterol o fígado não poderia produzir bílis, o que impediria a digestão de gorduras e causaria diarréia constante e mortal. O excesso de colesterol, entretanto, causa entupimento das artérias, uma pré-condição para doenças mais graves, como enfarte, derrame ou tromboses.

Onde está ele?
O colesterol existe nos produtos de origem animal, como carnes, vísceras e embutidos, leite e seus derivados, como manteiga, e gemas dos ovos. Frutos do mar, como camarões, também têm alta porcentagem de colesterol em suas gorduras. O colesterol não existe nos produtos de origem vegetal. Além de ingerido nos alimentos, ele também é produzido pelo nosso fígado. O colesterol que sobra das reações químicas com as células continua na corrente sanguínea e volta a ser absorvido pelo fígado, que transforma em bile, ingrediente indispensável do suco digestivo. Quando ele está em excesso, entretanto, o fígado não consegue metabolizá-lo e ele fica na corrente sanguínea, depositando-se nos vasos. Por isso é importante controlar os índices de colesterol, pelo menos uma vez por ano, no caso de um adulto. Esses índices aumentam com a idade, pois o metabolismo fica mais lento ou ocorrem disfunções hormonais.
São as disfunções hormonais, muito comuns em mulheres depois dos 40 anos e homens depois dos 60 anos que fazem com que o fígado passe ele mesmo a produzir colesterol em excesso, elevando os índices gerais mesmo que a pessoa corte todo o colesterol dos alimentos. Nesse, como nos casos mais simples de alteração nas taxas de colesterol, é bom consultar um medico e verificar se não é preciso aliar algum remédio (geralmente estatinas ou derivados) à alimentação com pouco colesterol.
Por ser uma gordura (lipídio), o colesterol precisa se associar com um tipo de proteína, a lipoproteína (do grego “lipos” = “gordura” e “proteína”) para se dissolver na água do sangue e chegar a todas as células, que o usam para construir suas membranas. Carregado pelas lipoproteínas, o colesterol é um dos constituintes dos tecidos gordurosos que envolvem todas as células do cérebro, uma por uma. Por isso o cérebro é o órgão mais rico em colesterol.

Dependendo da associação com a lipoproteína que o torna solúvel no sangue, o colesterol divide-se em dois tipos principais: o de baixa densidade (uma gordura mais fina, conhecida pela sigla inglesa LDL, que significa low density lipoprotein) e o de alta densidade (low density lipoprotein, ou HDL, em inglês, que é uma gordura mais “grossa”).
O LDL sempre está presente no sangue em muito maior quantidade que o HDL, mas, quando em excesso esse LDL, que é um colesterol com moléculas menores, adere às paredes das artérias, causando afinamento de calibre e entupimento. É esse LDL em excesso que os médicos chamam de mau colesterol. O cigarro e a pressão alta provocam microlesões no endotélio, a delicada “mucosa” que reveste as artérias. Essas lesões são como “buracos” numa estrada que permitem o acúmulo de sujeira, pois nelas aderem as moléculas de LDL, o mau colesterol (mas só quando em excesso, como vimos).
Já o colesterol de alta densidade (HDL), além de não aderir à superfície das artérias, limpa-as, pois dilui o mau colesterol (LDL) e o arrasta de volta para a corrente do sangue. Por isso o HDL é considerado o bom colesterol pelos médicos, pois os riscos de problemas cardíacos, tromboses e derrames (AVC, sigla para acidente vascular cerebral) diminuem na medida em que aumentam os índices de HDL no sangue.
O óleo de abacate age de três formas na redução do colesterol: bloqueia a absorção do colesterol no intestino; age diretamente no fígado, estimulando a “quebra” do colesterol; e dilui o mau colesterol, o que facilita sua eliminação pela urina.


Índices ideais
(Para entender o exame de sangue)
Os índices ideais de colesterol global são de até 200 mg em 100 ml de sangue. Taxas superiores a 240 mg de colesterol total em 100 ml do sangue já indicam problemas. Mas é o exame dos dois tipos específicos de colesterol que dá para o médico a indicação dos procedimentos. Os índices específicos ideais são de acima de 35 mg de HDL e de até 130 mg de LDL em cada 100 mg de sangue. Taxas de LDL acima de 160 indicam risco de doença e necessidade de cortar gorduras animais. Uma especial atenção deve ser dada ao caldo de carne concentrado, muito usado até para temperar o arroz: ele deve ser evitado porque possui os mais altos teores de colesterol do que qualquer outro alimento.

Plantas anticolesterol

Outras plantas anticolesterol: abóbora, abobrinha, aipo, alcachofra, algodão, amendoim, aveia, batata iacom (tipo de tubérculo adocicado que é comido cru), berinjela, cebola, dente-de-leão, gergelim, girassol, jurubeba, laranja, maçã, mamão, milho, morango, nabo, rabanete, soja, uva.



BIBLIOGRAFIA
BALBACH, Alfons, As Frutas na Medicina Doméstica, São Paulo, Edições ‘A Edificação do Lar’ (Edel), s/d.
CASCUDO, Luís Câmara, História da Alimentação no Brasil, São Paulo, Editora Itatiaia/Editora da Universidade de São Paulo, 1983.
CORRÊA, Pio, Dicionário das Plantas Úteis no Brasil e das Exóticas Cultivadas, Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1978.
DONA BENTA, Comer Bem – 1001 Receitas de Bons Pratos, 44ª edição, São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1952.
ESCOLA DE COZINHA, coleção de volumes de adaptados de original italiano da Cursio Periodici, São Paulo, Editora Nova Cultural, 1982.
GOMES, Marcos, As Plantas da Saúde, São Paulo, Edições Paulinas, São Paulo, 3ª edição, 2003.
GONSALVES, Paulo Eiró, Alimentos que Curam, São Paulo, Editora Ibrasa, 1996.
GUIA RURAL ABRIL, São Paulo, Editora Abril, 1988.
HOEHNE, Plantas e Substâncias Vegetais Tóxicas e Medicinais, Departamento de Botânica de SP, 1978
LORENZI, Harri, e MATTOS, José de Abreu, Plantas Medicinais no Brasil: Nativas e Exóticas, Nova Odessa, SP, Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2002.
MOREIRA, YARZA, ACHARAM, As Plantas que Curam – A Prevenção e Cura das Doenças pelas Plantas, São Paulo, Li-Bra, Empresa Editorial, s/d.
OSLER, William, Tarascon Pocket Pharmacopoeia, Nova York, EUA, Tarascon, 2000.
PANIZZA, Sylvio, Plantas que Curam (Cheiro de Mato), São Paulo, Ibrasa, 1998.
PANIZZA, Sylvio e PANIZZA, Sylvio T., Ensinando a Cuidar da Saúde com as Plantas Medicinais – Guia Prático de Remédios Simples e Naturais, Rio de Janeiro, Ediouro, 2005.
ROTMAN, Flávio, A Cura Popular pela Comida, Rio de Janeiro, Editora Record, 10ª edição, 1986.
SAÚDE É VITAL (revista), ano 11, nº 3 e nº 8, São Paulo, Editora Azul, 1994.
SAÚDE É VITAL - GUIAS ESPECIAIS, números dedicados a Vitaminas, Chás, Curas Alternativas, São Paulo, Editora Azul, s/d.
WALZBERG, Catharina, 170 Receitas para Recuperação da Saúde, Itapecerica da Serra, SP, Retiro para Recuperação da Saúde, s/d
Estudos sobre óleo de abacate em publicações científicas
International Journal of Immunopharmacol., 1996; The Lancet, 1995; European Journal of Drug Metab., 1997; Anticancer Research, 1996; European Patent EP 287,000, Minerva Urologia, 1985; British Journal of Clinical Pharmacology, 1984; Medizinische Klinik, 1982; European Urology, 1992 e 1994, Fortsher. Med., 1980.

SITES
Pesquisas genéricas
WWW.google.com.br
WWW.altavista.com
WWW.wikipedia.com.br
WWW.todafruta.com.br

Pesquisas acadêmicas
WWW.google.academico.com
lattes.cnpq.br

4 comentários:

  1. Post muito interessante e educativo, precisamos dar mais atenção a nossa medicina natural e popular... Tenho apenas uma curiosidade, quando ralamos o caroço do abacate, que é inicialmente branco, ele se torna vermelho. O que o torna vermelho?

    Se souber, por favor, me responda por e-mail (bacconi@gmail.com)

    Agradecido.

    ResponderExcluir
  2. Oi Marcão, estou pesquisando a respeito do caroço de abacate, me passaram uma "receita" de caroço de abacate moído para artrose e não encontrei nada a respeito no google. A receita é o seguinte: caroços de abacate colocados ao sol e ao secar, moer e comer um colher de café as refeições, diz-se que repõe a cartilagem. Você conhece algo a respeito? No livro do Prof. Sylvio Panizza (Plantas de Curam) e em outros livros não encontrei nada a respeito.
    Amor e Luz
    Marlene

    ResponderExcluir
  3. Oi, Marcão, tudo bem ?
    Gostei muito das suas explicações sobre o abacate! Parabéns po reunir tanta coisa junto sobre uma única planta.
    Durante 3 dias seguidos mastiguei bem e engoli 1 folha tenra de abacateiro por dia. Será que é prejudicial à saúde ? Devo continuar ou parar ? Por favor, se você souber, responda-me. eu e-mail é canhizares123@gmail.com.
    Desde já agradeço muito.
    Marli Inês Marques

    ResponderExcluir
  4. Ola parabens pelo post, muito didatico e interessante. A conselho de uma amiga comecei a tomar o oleo de abacate(capsulas 1000mg) 2 X por dia por causa da pressao alta. Em resumo,abandonei os comprimidos que tomava a mais de um ano pois minha pressao esta estavel somente com as capsulas de abacate. Recentemente fiz exames de PSA e prostata, para minha susrpresa ambos diminuiram tb!
    Djalma
    djalmaneto@gmail.com

    ResponderExcluir